carregando...
Fale conosco

Subida de volta do mergulho

Como subir de volta do mergulho de forma segura: entenda porque você não pode subir rápido no mergulho com cilindro.
 
É muito comum as pessoas que não tem curso de mergulho acharem que para voltar do mergulho, o mergulhador precisa colocar ar no colete ou bater as pernas bem rápido.
 
Nunca se deve subir rápido no mergulho, e vou te explicar o que pode acontecer se perdermos o controle da velocidade na hora da subida do mergulho.
 
O mergulho scuba, ou seja, com cilindro de ar comprimido, é uma atividade muito segura, divertida e prazerosa, mas como qualquer esporte de aventura tem seus riscos. O risco mais presentes no mergulho scuba é a DD ou doença descompressiva, assim como a hiperexpansão pulmonar.
 
Essas 2 situações podem ocorrer com qualquer pessoa que não respeite as regras de ouro do mergulho, que são:
1.    Jamais prenda a respiração durante o mergulho!
2.    Suba devagar à superfície!

 
Continue lendo ou veja o vídeo do canal Bora Mergulhar, que explica em detalhes como devemos subir no final do nosso mergulho:
 

 
Por que subir devagar de um mergulho com cilindro de ar comprimido?
 
O ar do cilindro é o ar que está comprimido, composto de 21% de Oxigênio e 79% de Nitrogênio, é o mesmo ar que respiramos fora da água. Não é cilindro de oxigênio!
 
Porém, é preciso conhecer as leis dos gases para entender essas 2 regras do mergulho.
 
Quando começamos a descer, além da pressão atmosférica, há a pressão da água sobre o mergulhador, que aos 10 metros de profundidade já representa o dobro da pressão a que estamos acostumados na superfície.
 
Nosso corpo fora da água está habituado a 1 ata de pressão, que é a pressão atmosférica, a pressão do ar ao nosso redor. Por esse motivo não flutuamos, estamos presos ao chão porque o ar ao nosso redor tem “peso”.
 
Essa pressão também está presente nos corpos flexíveis, como a água, então conforme descemos a pressão atmosférica nos pressiona e a água ao nosso redor também exerce pressão, o que faz com que o ar que respiramos fique ainda mais comprimido à profundidade.
 
Imagine o seguinte: se as moléculas de ar estão muito comprimidas, mais do que o normal, então cabe mais moléculas em um mesmo espaço, e agora imagine que este espaço seja o meu pulmão. Estou a 10 metros respirando o dobro de ar que caberia no meu pulmão se eu estivesse na superfície. E quanto mais descemos mais essa pressão aumenta e mais comprimido o ar fica. O pulmão é um corpo flexível, infla e desinfla, como uma bexiga.
 
Se eu descer, por exemplo, 10 metros e prender a respiração, o ar comprimido ficará preso nos meus pulmões ocupando um volume x. Se eu começar a subir esse ar que está comprimido pela pressão da água dentro dos meus pulmões começará a se expandir, porque a pressão vai deixando de pressioná-lo, ou seja conforme eu subo a pressão diminui e o ar se expande.
 
Se o ar que se expande não sai pela respiração constante, o pulmão pode não aguentar esse ar expandindo e romper-se: isso é a hiperexpansão pulmonar. Caso gravíssimo.
 
Isso nos ensina que a subida deve ser com cuidado, devagar e nunca prendendo a respiração.
 
Mesmo que eu não esteja subindo eu nunca devo prender a respiração, pois ainda assim há risco de lesão dos pulmões, devido às mudanças de profundidade normais durante um mergulho com cilindro.
 
O outro fator que nos faz ser muito cuidadosos na subida de um mergulho é com relação ao nitrogênio que respiramos debaixo da água, que está dentro do cilindro junto com o oxigênio.
 
O corpo usa uma parte do oxigênio que respiramos e o que ele não usa sai pela respiração. Já o nitrogênio é um gás que nosso corpo não utiliza, ele é totalmente dispensado na respiração. Porém, conforme a gente desce e a pressão da água comprime os gases e os nossos espaços aéreos (O PULMÃO É UM DELES) esse nitrogênio começa a ter dificuldade para sair do nosso corpo, isso significa que, ao longo do mergulho, acumulamos uma quantidade de nitrogênio, que fica em nossos tecidos (rins, coração, pulmão, etc).
 
À medida que subimos esse nitrogênio começa a sair aos poucos pela respiração. Se uma pessoa sobe muito rápido o nitrogênio também sai mais rápido, e é aí que está o perigo, pois ao sair rápido dos tecidos ele pode formar bolhas em nossa corrente sanguínea, e isto pode causar enormes prejuízos ao nosso sistema circulatório e respiratório.
 
Por este motivo, na intenção de controlar a subida, ao invés de colocar ar no colete para subir, a gente deve tirar pequenas quantidades de ar enquanto sobe em pé, batendo as nadadeiras de forma lenta e respirando lenta e profundamente. A velocidade máxima é de 8 metros por minuto, e o controle da velocidade é feito batendo as nadadeiras de forma tranquila e acompanhando no seu computador de mergulho.
 
Mas por que tirar o ar do colete de mergulho justo no momento que preciso subir? Por que se você coloca ar no colete você flutua muito mais rapidamente e isso pode aumentar perigosamente sua velocidade de subida. Aí o ar dos pulmões pode se expandir muito rápido e as bolhas de nitrogênio também se formarão pela sua corrente sanguínea.
 
Parece complexo mas não é! No curso básico de mergulho você recebe instruções sobre como deve agir em situações que, em tese, você teria que subir mais rápido. Sempre vai haver uma alternativa para que sua subida seja feita na velocidade correta e em segurança.
 
Mas não basta subir devagar, é preciso subir com cuidado e atenção.
 
Eu vejo muitas vezes as pessoas subindo sem olhar pra cima. E se ao chegar na superfície tiver um barco, o que vai acontecer? Você vai bater a cabeça e isto pode ser muito perigoso. Além disso, pode haver outros mergulhadores mais acima e você pode trombar com eles.
 
Então o jeito seguro de subir é respirando lenta e profundamente, batendo as nadadeiras devagar, enquanto tira pequenas quantidades de ar do colete, sempre olhando para cima. Recomendamos fazer uma parada de segurança aos 5 metros por 3 minutos para liberar um pouco mais de nitrogênio residual antes de chegar à superfície.
 
E então, bora fazer um curso de mergulho com segurança na Bora Mergulhar, com muito conhecimento, adrenalina e diversão?

Fale conosco